Você passou os últimos meses na prisão e ainda tem anos de sentença para cumprir. Você passa a maior parte do seu dia com um pequeno grupo de presos. Eles lhe protegem desde o primeiro dia, então você sente que pode confiar neles.

Eles lhe protegem desde o primeiro dia, então você sente que pode confiar neles. Eles vão cobrir a sua retaguarda e você a deles, se for necessário. Certo dia, ao conversar com um dos presos, ele lhe diz que um grande matemático chamado Walter Castle tinha vivido em sua cela. Walter Castle era uma lenda entre os prisioneiros. O diretor da prisão e os guardas o temiam; não porque era grande e forte, mas porque tinham medo de que ele escapasse, e uma fuga da prisão mancharia a reputação deles. Eles, então, inventaram uma mentira: Walter Castle lutara e batera em outro detento. Walter não era capaz de matar sequer uma mosca, mas, mesmo assim, transferiram-no para um presídio de segurança máxima no outro lado do país.

Não lhe surpreende que o antigo ocupante da sua cela tenha sido um matemático; na verdade, isso explicaria os números e as charadas estranhas riscadas nas paredes.

A ideia de liberdade faz com que você fique intrigado com todas as coisas estranhas em sua cela. Você se pergunta se isso pode ser parte de um plano maior para fugir deste inferno.

Os meses que você passou na prisão parecem anos; e se lhe perguntassem, você diria que prefere passar a vida inteira fugindo a continuar onde está. Você se convence que fugir é um ato de justiça. Você foi condenado a dez anos de prisão por um crime que não cometeu. Dez anos da sua vida sem esperança ou futuro apenas porque estava no lugar errado na hora errada. Não é justo.

Nesta noite, quando as portas das celas são fechadas, você diz aos seus amigos o que ouviu. Vocês reviram a cela e encontram envelopes escondidos no vaso sanitário. Estas informações podem ser o início da sua fuga. Os guardas fazem rondas de hora em hora. Será que essa vai ser a oportunidade da sua vida?